sexta-feira, 26 de fevereiro de 2021

IMP Concursos oferece dicas e simulado gratuito sobre Nova Lei de Abuso de Autoridade



As provas da Polícia Federal e Polícia Rodoviária Federal serão aplicadas nos dias 21/03 e 28/03, respectivamente. A Nova Lei de Abuso de Autoridade (Lei nº 13.869/19), será cobrada nos dois certames. Esta Lei define os crimes de abuso de autoridade, cometidos por agente público, servidor ou não, que, no exercício de suas funções ou a pretexto de exercê-las, abuse do poder que lhe tenha sido atribuído.

Para o delegado e professor de Legislação Penal Especial do IMP Concursos, Fernando Cocito, em ambas as provas a Nova Lei de Abuso deve ser cobrada na literalidade, tendo em vista que ainda não existe doutrina majoritária nos temas.  

“O estudante deve se atentar para os dolos específicos, para os tipos penais relacionados à praxe policial e para a viabilidade de aplicação de medidas despenalizadoras da Lei nº 9.099/95” destaca o especialista.

Para montar um bom cronograma de estudo para a disciplina até a realização das provas, a dica do professor é combinar as notas de doutrina e jurisprudência do STF e STJ com a letra da lei.

“O aluno deve reservar mais tempo para as leis mais cobradas, cuidando das demais apenas com o texto da lei. Uma dica importante é ter maior dedicação ao estudo das Leis nº 10.826/03; 9.455/97; 12.869/19; 9.099/95; 8.072/90 e 12.850/13”, afirma.

Simulado Gratuito 

Para dar uma força a mais aos candidatos, o IMP Concursos disponibilizou um simulado gratuito sobre a nova lei de abuso com o professor Vinicio Ferreira. Para baixar o simulado basta acessar o link: https://concursos.imponline.com.br/novaleideabusopfeprf


Serviço IMP Concursos 

https://impconcursos.com.br/

https://imponline.com.br/


Especialistas dão dicas de inglês e espanhol para concurso da PRF

 


Certame da PRF 2021 trouxe a língua estrangeira como uma novidade no edital e o candidato pode escolher entre as duas disciplinas

As provas do concurso público da Polícia Rodoviária Federal (PRF) serão aplicadas no dia 28 de março. Após a saída do edital, uma das novidades que movimentou o universo dos concursandos foi a inclusão da disciplina de Língua Estrangeira, onde o candidato pode optar por Inglês ou Espanhol. De acordo com a Diretora de Gestão de Pessoas da PRF, Sílvia Borges, a língua estrangeira foi considerada indispensável na avaliação do candidato. “A própria história, a visão de futuro da PRF, a capilaridade e a atuação exige que o policial tenha essa competência de se comunicar em outras línguas", explica.

Faltando um pouco mais de 50 dias para a prova, o IMP Concursos vai oferecer algumas dicas de Língua Estrangeira para quem está se preparando.

Inglês para a PRF

De fato, a disciplina de inglês pode ser um diferencial na aprovação, principalmente em quem está de olho em concursos da carreira policial, pois tem sido uma tendência nos editais desses certames. Portanto, o candidato precisa entender que se dedicar a matéria pode melhorar a sua classificação. E isso não significa que ele tenha que ter uma proficiência da língua, e sim é necessário que consiga atingir um nível de compreensão suficiente para resolver as questões da prova.

A especialista e professora Tay Cabral, mestre em sociologia na UNB e proficiente pelo Toefl e Ielts, mostra os pontos mais importantes da disciplina de inglês para PRF. Para a professora o candidato que sabe ler e compreender em inglês está um nível acima daquele que apenas tem os conhecimentos das demais matérias comuns em concursos públicos.

“A cobrança de língua estrangeira já está sendo uma tendência dos concursos recentes, como no de escrivão da polícia civil, aparecendo pela primeira vez no último edital", completa.

Outra dica é preparar o cronograma de maneira a fazer pelo menos todas as provas de inglês da banca. Veja o tempo que demora pra fazer cada questão com qualidade e organize o cronograma de acordo.

O candidato deve focar em compreensão de texto e gramática. “Recomendo que leia textos de jornais e revistas em inglês, como New York Times, BBC e The Economist, além de outros textos que tenham relação com a temática policial, pois assim aprenderá palavras novas que poderão auxiliar no dia da prova”, explica. 

O Cebraspe gosta muito de fazer provas temáticas, ou seja, que tenham relação com as vagas oferecidas. No caso da PRF, o candidato pode se inteirar sobre nomenclaturas que são relacionadas à rodovia e segurança pública.  

Espanhol para a PRF

De uma forma geral, e pelo pouco tempo que os candidatos têm até a prova, a dica é não tentar se aprofundar no universo da gramática da língua espanhola, e sim conhecê-la. O foco deve ser a compreensão dos textos da prova, por isso a dica é investir  um bom tempo em leitura e tradução. 

Para Janaina Souto, especialista e docente nas áreas de espanhol, português, graduada em letras e pós-graduada em revisão de texto, mesmo que o candidato não saiba nada de espanhol ainda dá tempo de se preparar.

“O espanhol e o português são línguas irmãs, ambas de origem latina. É claro que nesse período é impossível saber de tudo sobre uma língua estrangeira, mas como nosso estudo será direcionado, acredito em uma preparação adequada e suficiente” afirma a professora.

De acordo com Janaina, a dica é todos os dias abrir, no mínimo, 3 conteúdos com escrita em espanhol. “Sugiro jornais como El País, em suas 3 vertentes – Espanha, México, Catalão; e a leitura do El diário. Além disso, é importante buscar fazer a leitura de 1 texto de provas por dia para se familiarizar com a língua”

quarta-feira, 24 de fevereiro de 2021

Instrumentista celebra 35 anos de carreira musical em série de lives

 Em seis apresentações virtuais, a guitarrista Marlene Souza Lima apresenta repertório com canções autorais, além de grandes nomes do jazz e bossa nova; os show serão transmitidos pelo youtube e redes sociais da artista

 



Conhecida como "a guitarra feminina do jazz”, a instrumentista e compositora, Marlene Souza Lima, celebra seus 35 anos de carreira em uma série de lives que ocorrerão do dia seis de março a dez de abril. As apresentações contarão com músicas de grandes nomes do jazz e bossa nova, apresentadas sob novos arranjos, além de canções autorais inéditas e outras presentes em seu CD e DVD. As lives têm o patrocínio do Fundo de Apoio à Cultura do Distrito Federal (FAC-DF).

 

A compositora conta que a ideia inicial era montar um show para o segundo semestre deste ano, em comemoração aos seus 35 anos de carreira musical, mas devido a pandemia, os planos mudaram. “A COVID-19 fez com que eu e a minha produtora Usina de Sons, partíssemos para o plano B. Dessa forma o show pode ser assistido, compartilhado e comentado por mais pessoas, e, mesmo não contando com o calor humano dos shows presenciais, nas lives a interatividade do público também dá um gosto bacana”, afirma a artista.

 

No repertório, o público poderá  fazer uma viagem pelas músicas que a artista vem tocando ao longo dos seus 35 anos de carreira, separadas por estilos: Bossa Nova Lado “A”, Bossa Nova Lado “B”, Jazz Lado “A”, Jazz Lado “B”, além das músicas autorais. “Ao contrário do que se possa pensar, o lado “b” aqui não quer dizer apenas músicas pouco conhecidas do público. Resolvi assim denominar músicas conhecidas de determinado estilo que eu toco, mas que poucas vezes estavam no meu repertório da noite ou de shows”, explica Marlene.

 

Já as canções autorais, o público terá oportunidade de apreciar composições que estão no CD My Way e no DVD gravado ao vivo, bem como temas inéditos e execução de músicas compostas há algum tempo, mas que ainda não foram gravadas.

 

Para as apresentações, Marlene conta com a  colaboração de grandes amigos e talentosos músicos da cidade. Na bateria Sidney Campos, nos teclados Fernando Palau, na percussão Jorge Macarrão e no baixo, fazendo sua primeira participação no MSL Grupo, o conceituado músico, Hamilton Pinheiro.

 

As expectativas para a série de lives são altas. “Espero levar o espírito da satisfação e da alegria que sinto quando faço música, pois estamos passando por momentos difíceis. Nem nos nossos piores pesadelos imaginávamos algo parecido com o que o Covid está fazendo. A arte é uma forte aliada de trazer um pouco mais de leveza para momentos como este”, afirma Marlene.

 

Sobre Marlene Souza Lima - Nascida no Rio de Janeiro, e criada em Brasília, Marlene aprendeu desde cedo com o pai saxofonista, e mãe fã de bossa nova, o amor pela música. “Cresci ouvindo bossa nova, jazz e James Brown. O pessoal de casa fala que quando eu tinha uns dois anos, eu ficava perturbando o ensaio que meu pai e meu tio, que são músicos, faziam em casa”, relembra.

 

Em sua trajetória, a compositora acumula experiência e uma formação invejável. Estudou na Escola de Música de Brasília (EMB), onde o violão era o foco inicial, seguido pela descoberta da paixão  pela guitarra. “A única certeza que eu tinha era que a guitarra seria o meu instrumento de paixão e trabalho, assim como o violão”, revela. A instrumentista também teve aulas com os renomados músicos Paulo André Tavares, Nelson Faria, Paulo Bellinati e Mestre Curinga.

 

Programação

1ª LIVE: 06/03/2021 às 20h

Tema: live show, de 1h20, onde serão executados temas consagrados da bossa nova, sob novos arranjos.

 

2ª LIVE: 13/03/2021 às 20h

- Tema: live show, de 1h20, onde serão executados temas consagrados e lado B da bossa nova, sob novos arranjos;

 

3ª LIVE: 20/03/2021 às 20h

- Tema: live show, de 1h20, onde serão executados temas consagrados do jazz mundial;

 

4ª LIVE: 27/03/2021 às 20h

- Tema: live show, 1h20, onde serão executados temas lado B do jazz mundial;

 

5ª LIVE: 03/04/2021 às 20h

- Tema: live show, 1h20, com a execução das músicas autorais da musicista Marlene Souza Lima presentes no DVD;

 

6ª LIVE: 10/04/2021 às 20h

-  Tema: live show, 1h20, com músicas autorais de Marlene Souza Lima e temas autorais de músicos e musicistas da cidade.

 

Serviço:

As lives será transmitidas pelas redes sociais da artista

Youtube https://youtube.com/c/mslgrupo

Instagram https://instagram.com/marleneslimaguitar?igshid=1dcssl1ho2wmk

quinta-feira, 18 de fevereiro de 2021

Em crescimento, mercado de automação residencial se torna setor promissor no país

                

Investir em cursos de capacitação e conhecimento é o diferencial para quem deseja atuar na área

Conforto, economia, segurança e praticidade são algumas das vantagens de quem tem ou quer ter um lar high tech (em português “alta tecnologia”). E essa realidade está cada dia mais presente na vida dos brasileiros. Dados de 2018 da Associação Brasileira de Automação Residencial e Predial - AURESIDE, apontou que os dispositivos IoT (internet das coisas) para residências inteligentes entrarão em 53,9% das residências nos EUA até 2023. Até 2015, o Brasil ocupava a sexta posição em mercado de automação e o estudo revelou uma grande tendência a subir de posição.

Uma das premissas para confirmar essa tendência é o alto investimento de empresas brasileiras em cursos e capacitação.Por perceber um crescimento no setor, empresários se aperfeiçoam e buscam levar conhecimento a outros profissionais. O diretor da Seype Engenharia, com sede no Distrito Federal, Júlio Seype, relata que, somente em 2020, a procura por serviços de automação em sua unidade teve um crescimento três vezes maior quando comparado ao ano anterior. Para o engenheiro mecatrônico, especialista em gestão de projetos, o crescimento se deve ao aumento da procura de  investidores e pessoas físicas  e jurídicas por projetos elétricos e de automação com o objetivo de aumentar o conforto de suas instalações.

“São vários os benefícios, mas podemos citar alguns de destaque como, por exemplo, a segurança, o conforto e praticidade no dia a dia. A automação residencial é uma nova vertente da engenharia civil onde a  tecnologia é utilizada para facilitar tarefas que uma pessoa faz durante o dia, e torná-las automáticas, pontua.

Com tanta procura, o mercado se torna cada dia mais exigente. A era da indústria 4.0  utiliza a IoT (internet das coisas) e vive a transformação digital.  O uso intenso de novas tecnologias acompanha mudanças cada vez mais rápidas, tanto no ambiente de trabalho quanto na vida pessoal. São muitos os desafios e, um deles, é relativo à capacitação profissional.

Para o gestor Júlio Seype,o uso adequado e eficiente de novas técnicas e ferramentas de trabalho são necessários, assim como novos conhecimentos e visão estratégica. Em dezembro passado, o empresário com mais de dezesseis anos no mercado e grande experiência na área acadêmica, iniciou no mercado de capacitação. Em seu primeiro curso, Júlio, trouxe o conceito e aplicação da automação residencial. Para o primeiro trimestre de 2021, o especialista já tem engatilhado um novo projeto: o curso de integradores de automação residencial (AR) que ocorrerá em módulos e tem como objetivo ensinar os participantes a projetar sistema de AR. Ao final, concluído cada módulo, o participante recebe emissão de certificado e, ao final do curso, o  certificado de integrador.

“Com a tecnologia em evidência, o mercado de automação ganha cada dia mais adeptos. Com isso, surgem, também, diversas oportunidades de trabalho que necessitam de mão-de-obra qualificada. Estamos apostando neste mercado porque entendemos que qualificação é o grande diferencial dentro de um setor”, finaliza.

quarta-feira, 17 de fevereiro de 2021

NWi Telecom anuncia mudança no board da empresa e investe em grandes talentos do setor

 Com o investimento em nomes com experiência em grandes empresas do setor, a gestão da empresa se torna menos familiar; e o CEO Marcos André chaves passa a responder por funções mais estratégicas

 

A empresa brasiliense NWi Telecom anunciou neste início de ano uma mudança em seu quadro de diretoria, com a indicação de duas novas diretorias, substituindo os sócios da empresa nas funções operacionais.  A iniciativa surgiu após a necessidade de tornar a gestão da empresa menos familiar, com a incorporação de profissionais de ponta para ocupar os cargos de liderança da organização. Para compor o novo corpo diretivo da NWi, foram escolhidos dois experientes executivos: José Carlos de Godoy, para a posição de Diretor Executivo (COO); e como Diretor Comercial, Marcelo Rahmeier.

Marcelo Rahmeier - Diretor Comercial
 

O CEO da NWi, Marcos André Chaves, passa a cuidar das novas atividades mais focadas no planejamento estratégico e no projeto de crescimento agressivo do grupo em FTTH e Data Center. “Temos buscado investimentos e parceiros no mercado para competirmos em extensão da rede e Data Center em Pessoa Jurídica - PJ”, afirma Chaves.


A nova estruturação vai trazer benefícios não apenas para os clientes como para os colaboradores, com uma empresa ainda mais sólida no mercado. “Com profissionais qualificados e focados no operacional, a NWi poderá oferecer aos seus clientes serviços com uma qualidade ainda maior, já que, para uma organização funcionar em harmonia, é importante possuir líderes dedicados em suas áreas de atuação, com capacidade para gerir o processo de crescimento”, aposta Godoy.


José Carlos Godoy Júnior - Diretor Executivo

 

Sobre a nova diretoria

Para o novo corpo diretor, a NWi Telecom escolheu profissionais com passagem por grandes empresas do setor. Ambos já faziam parte da organização, atuando em outras funções, e vinham apresentando excelentes resultados em suas áreas, além de possuírem os conhecimentos necessários da visão da empresa para desempenhar os novos cargos.

 

O novo Diretor Executivo, José Carlos de Godoy Júnior, é Graduado em Production & Operations Management pela Universidade de Ottawa, no Canadá, e em Ciências Econômicas na Associação de Ensino Unificado do DF (AEUDF), pós graduado em Administração, Controladoria, Ciências Contábeis e IAG-Finanças Corporativa. Acumula experiência profissional com mais de 20 anos em setores do Agrobusiness, Alimentos & Bebidas, Telecomunicações, Alta Tecnologia e Varejo Farmacêutico como Cervejaria AMBEV, JBS-Group, Marfrig/Seara Global Foods, Lexmark/IBM e Rede Drogarias Rosário.

 

Já Marcelo Rahmeier, que assume como Diretor Comercial, é Graduado em Engenharia de Computação pela College of Marin e Administração de Empresas pela PUC. Acumula experiência como Gerente Comercial, Product Owner, Analista de produto Sênior, Gerente de Operações de TI, Finance Manager e IT Manager. Ainda possui experiência em Business Intelligence, Desenvolvimento de equipes e liderança, Developing Executive Leadership, Integrating Sales and Marketing, Sales and Sales Management, Project Management (PMI) e Coaching.

 

Sobre a NWi Telecom - Com quase 26 anos de mercado na área de Tecnologia, a NWi é especializada nos segmentos de Telecom, TI e Monitoramento Inteligente, atendendo empresas do setor privado e do Governo, como Presidência da República, CAESB, Embrapa, além de pessoas físicas. Atua em todas as regiões administrativas de Brasília e  nas cidades do Goiás (Formosa, Luziânia, Planaltina de Goiás). Atua na área de TI, Telecom, Telefonia, Segurança Patrimonial e Data Center.

 

   

SERVIÇO

NWi Telecom

Endereço: SIG Quadra 1 Lotes 715, 725, 735, Brasília - DF, 70610-410

Site: www.nwi.com.br

quarta-feira, 10 de fevereiro de 2021

Hermeto comemora a incorporação do CFP VII


Em seu programa de rádio o parlamentar bateu um papo com o Major Abadio, coordenador do curso

A Polícia Militar do Distrito Federal realizou a incorporação dos alunos do Curso de Formação de Praças (CFP VII), no pátio do CEPOM, por volta das 18h da sexta-feira (5), em Taguatinga Norte.

O curso de formação teve início no dia 28 de dezembro, com 500 aprovados e é ministrado em período integral pela Escola de Formação de Praças sob a coordenação do major Abadio.

Neste sábado (06) o deputado Hermeto (MDB) convidou o Major Abadio no seu programa de rádio Pinga Fogo, transmitido na rádio Atividade todos os sábados às 6 da manhã, para bater um papo sobre o Curso de Formação CFP VII.

Segundo o Major as maiores dificuldades que os alunos encontraram no início eram relacionadas ao processo de adaptação dos alunos que passam de uma vida civil para uma militar:

“Todos os policiais passaram por isso, o processo de adaptação é a parte mais complicada, sair da vida civil para a vida militar. Mas eu sempre digo a eles, sofre menos quem se adapta primeiro.” Afirmou o coordenador do curso.

O major relata que as atividades são intensas e contínuas e a cobrança é grande, mas os resultados foram muito positivos.

“Nossa equipe é muito bem preparada e tá ali realmente forjando os nossos alunos.” Completa o Major.

“Eu fiquei encantado com o evento, consegui sentir a vibração verdadeira dos alunos, com um mês de curso já notamos a diferença, parabéns pelo trabalho Major.” Disse Hermeto.

A formatura está prevista para o dia 25 de agosto.


 

sexta-feira, 29 de janeiro de 2021

Mortes por doenças cardiovasculares no Brasil aumentam com a pandemia

 

Além da doença representar um perigo maior para pacientes cardiopatas, a ausência de cuidados cotidianos e rotineiros contribuem com a estatística


Desde o início da pandemia causada pelo novo coronavírus, com primeiro caso no Brasil em fevereiro de 2020, é sabido que os cardiopatas, pacientes que possuem algum problema no funcionamento do coração, fazem parte do grupo de maior risco para a doença. A taxa de mortalidade para infectados pode ser três vezes maior que a média, chegando a 10,5%, segundo a Sociedade Brasileira de Cardiologia-SBC. Contudo, ainda que a Covid-19 represente um risco maior para os pacientes, somente ela, não é a responsável pelo aumento no número de mortes por doenças cardiovasculares no país.

Informações do Portal da Transparência, atualizado pela Arpen-Brasil (Associação dos Registradores de Pessoas Naturais do Brasil) em parceria com a Sociedade Brasileira de Cardiologia (SBC) e com médicos e pesquisadores das Universidades Federal de Minas Gerais (UFMG) e Federal do Rio de Janeiro (UFRJ), revelam que houve um aumento de 31,82% no número de óbitos em domicílio por doenças cardiovasculares, incluindo Acidente Vascular Cerebral (AVC), infarto e doenças cardiovasculares inespecíficas. Os dados mostram que, no período de 16 de março – mês em que ocorreu a primeira morte por Covid – até o final de junho de 2020, ocorreram 23.342 mortes por doenças cardíacas em domicílio em 2020, no mesmo período no ano anterior, foram registradas 17.707 mortes. 

“Essa elevação no número de mortes pode ser, também, um reflexo de questões observadas ao longo da pandemia e alertadas pela SBC e profissionais de saúde como, por exemplo, o acesso limitado a hospitais em locais onde houve sobrecarga do sistema de saúde e a redução da procura por cuidados médicos preventivos e rotineiros devido ao distanciamento social ou por preocupação de contrair a Covid-19”, pontua a cardiologia eletrofisiologista do Instituto do Coração de Taguatinga (ICTCor), Carla Septimo Margalho.

No caso da Covid-19, a infecção causada pelo novo coronavírus entra pela via respiratória e pode provocar uma sobrecarga fatal aos pacientes cardiopatas. Isso acontece porque o paciente já é portador de uma doença cardíaca e, por si só, ele possui uma reserva funcional do sistema cardíaco menor que as suas necessidades frente à doença. Por este motivo é fundamental que o paciente siga rigorosamente com o tratamento indicado pelo cardiologista.

Já com relação às doenças cardiovasculares, de modo geral, é importante ressaltar que segundo a Organização Mundial de Saúde (OMS), anualmente, morrem mais pessoas por essas enfermidades do que por qualquer outra causa. O indicador do número de mortes por doenças cardiovasculares no Brasil, criado pela Sociedade Brasileira de Cardiologia (SBC), aponta que, somente em janeiro deste ano, mais de vinte e nove mil pessoas já vieram a óbito.

Para o  cardiologista hemodinamicista também do corpo clínico do Instituto do Coração de Taguatinga (ICTCor), Ernesto Osterne, muitas dessas mortes poderiam ser evitadas ou postergadas com cuidados preventivos.

“Se as pessoas mudassem seus hábitos e fizessem o acompanhamento médico da forma correta, os números poderiam ser diferentes. Mudanças no cotidiano fazem toda a diferença, não têm contraindicações e podem e devem ser adotadas por jovens e idosos”, alerta o especialista.

Afinal, o que são as doenças cardiovasculares?

As doenças cardiovasculares são um grupo de doenças do coração e dos vasos sanguíneos. O infarto agudo do miocárdio e o acidente vascular cerebral (AVC) são as duas causas que mais matam no País. Somados, o índice representa quase 40% dos óbitos. Entretanto, o médico Ernesto Osterne ressalta que, a arritmia cardíaca, o mal súbito e tumores no coração também podem levar a óbito se não forem tratados.

O diagnóstico para tais enfermidades se dá por meio das consultas regulares ao médico e a realização de exames, conforme orientação e supervisão do profissional de saúde. Por mais corriqueiro que possa parecer, manter hábitos saudáveis e o checkup em dia são os pilares mais importantes para cuidar da saúde do coração. 

O especialista explica que os cuidados e a atenção não devem ser apenas preventivos. Mesmo os pacientes já diagnosticados com problemas cardiovasculares devem continuar o acompanhamento médico. E relembra que, atualmente, há uma série de procedimentos que, caso seja necessário, podem ser realizados para uma melhor qualidade de vida. 

“A convivência com a doença requer o que chamamos de modificação de estilo de vida, sempre focado em hábitos mais saudáveis, tudo para a prevenção secundária de novos eventos cardiovasculares”, pontua.

Saiba mais sobre alguns procedimentos utilizados no tratamento das doenças cardiovasculares.

Angioplastia - é a intervenção realizada para a abertura da artéria coronária obstruída. A obstrução é confirmada por meio da realização do cateterismo.

Crioablação de Arritmia Cardíaca - procedimento utilizado em quem sofre com Fibrilação Atrial. É realizado via cateterismo e oferece a correção do ritmo cardíaco, cauterizando as veias por meio de um sistema de congelamento. O Instituto do Coração de Taguatinga é pioneiro neste método inovador em Brasília.

Implante de marcapasso - é recomendado para pacientes com frequência cardíaca lenta, causada pelo desgaste do sistema elétrico do coração, que pode acontecer pelo envelhecimento ou por alguma doença cardíaca.

Publicidade

Publicidade

Arquivo