sexta-feira, 29 de janeiro de 2021

Mortes por doenças cardiovasculares no Brasil aumentam com a pandemia

 

Além da doença representar um perigo maior para pacientes cardiopatas, a ausência de cuidados cotidianos e rotineiros contribuem com a estatística


Desde o início da pandemia causada pelo novo coronavírus, com primeiro caso no Brasil em fevereiro de 2020, é sabido que os cardiopatas, pacientes que possuem algum problema no funcionamento do coração, fazem parte do grupo de maior risco para a doença. A taxa de mortalidade para infectados pode ser três vezes maior que a média, chegando a 10,5%, segundo a Sociedade Brasileira de Cardiologia-SBC. Contudo, ainda que a Covid-19 represente um risco maior para os pacientes, somente ela, não é a responsável pelo aumento no número de mortes por doenças cardiovasculares no país.

Informações do Portal da Transparência, atualizado pela Arpen-Brasil (Associação dos Registradores de Pessoas Naturais do Brasil) em parceria com a Sociedade Brasileira de Cardiologia (SBC) e com médicos e pesquisadores das Universidades Federal de Minas Gerais (UFMG) e Federal do Rio de Janeiro (UFRJ), revelam que houve um aumento de 31,82% no número de óbitos em domicílio por doenças cardiovasculares, incluindo Acidente Vascular Cerebral (AVC), infarto e doenças cardiovasculares inespecíficas. Os dados mostram que, no período de 16 de março – mês em que ocorreu a primeira morte por Covid – até o final de junho de 2020, ocorreram 23.342 mortes por doenças cardíacas em domicílio em 2020, no mesmo período no ano anterior, foram registradas 17.707 mortes. 

“Essa elevação no número de mortes pode ser, também, um reflexo de questões observadas ao longo da pandemia e alertadas pela SBC e profissionais de saúde como, por exemplo, o acesso limitado a hospitais em locais onde houve sobrecarga do sistema de saúde e a redução da procura por cuidados médicos preventivos e rotineiros devido ao distanciamento social ou por preocupação de contrair a Covid-19”, pontua a cardiologia eletrofisiologista do Instituto do Coração de Taguatinga (ICTCor), Carla Septimo Margalho.

No caso da Covid-19, a infecção causada pelo novo coronavírus entra pela via respiratória e pode provocar uma sobrecarga fatal aos pacientes cardiopatas. Isso acontece porque o paciente já é portador de uma doença cardíaca e, por si só, ele possui uma reserva funcional do sistema cardíaco menor que as suas necessidades frente à doença. Por este motivo é fundamental que o paciente siga rigorosamente com o tratamento indicado pelo cardiologista.

Já com relação às doenças cardiovasculares, de modo geral, é importante ressaltar que segundo a Organização Mundial de Saúde (OMS), anualmente, morrem mais pessoas por essas enfermidades do que por qualquer outra causa. O indicador do número de mortes por doenças cardiovasculares no Brasil, criado pela Sociedade Brasileira de Cardiologia (SBC), aponta que, somente em janeiro deste ano, mais de vinte e nove mil pessoas já vieram a óbito.

Para o  cardiologista hemodinamicista também do corpo clínico do Instituto do Coração de Taguatinga (ICTCor), Ernesto Osterne, muitas dessas mortes poderiam ser evitadas ou postergadas com cuidados preventivos.

“Se as pessoas mudassem seus hábitos e fizessem o acompanhamento médico da forma correta, os números poderiam ser diferentes. Mudanças no cotidiano fazem toda a diferença, não têm contraindicações e podem e devem ser adotadas por jovens e idosos”, alerta o especialista.

Afinal, o que são as doenças cardiovasculares?

As doenças cardiovasculares são um grupo de doenças do coração e dos vasos sanguíneos. O infarto agudo do miocárdio e o acidente vascular cerebral (AVC) são as duas causas que mais matam no País. Somados, o índice representa quase 40% dos óbitos. Entretanto, o médico Ernesto Osterne ressalta que, a arritmia cardíaca, o mal súbito e tumores no coração também podem levar a óbito se não forem tratados.

O diagnóstico para tais enfermidades se dá por meio das consultas regulares ao médico e a realização de exames, conforme orientação e supervisão do profissional de saúde. Por mais corriqueiro que possa parecer, manter hábitos saudáveis e o checkup em dia são os pilares mais importantes para cuidar da saúde do coração. 

O especialista explica que os cuidados e a atenção não devem ser apenas preventivos. Mesmo os pacientes já diagnosticados com problemas cardiovasculares devem continuar o acompanhamento médico. E relembra que, atualmente, há uma série de procedimentos que, caso seja necessário, podem ser realizados para uma melhor qualidade de vida. 

“A convivência com a doença requer o que chamamos de modificação de estilo de vida, sempre focado em hábitos mais saudáveis, tudo para a prevenção secundária de novos eventos cardiovasculares”, pontua.

Saiba mais sobre alguns procedimentos utilizados no tratamento das doenças cardiovasculares.

Angioplastia - é a intervenção realizada para a abertura da artéria coronária obstruída. A obstrução é confirmada por meio da realização do cateterismo.

Crioablação de Arritmia Cardíaca - procedimento utilizado em quem sofre com Fibrilação Atrial. É realizado via cateterismo e oferece a correção do ritmo cardíaco, cauterizando as veias por meio de um sistema de congelamento. O Instituto do Coração de Taguatinga é pioneiro neste método inovador em Brasília.

Implante de marcapasso - é recomendado para pacientes com frequência cardíaca lenta, causada pelo desgaste do sistema elétrico do coração, que pode acontecer pelo envelhecimento ou por alguma doença cardíaca.

Publicidade

Publicidade

Arquivo